Caros amigos,

Há momentos em nossas vidas em que nos encontramos perdidos no deserto e longe de casa. Estes são momentos em que sentimos medo, falta de amor e como se o nosso sofrimento nunca fosse chegar ao fim.

Olhe ao redor e você vai ver as pessoas que estão atravessando o deserto literalmente. Eles são refugiados da Síria, pessoas deslocadas ou sob a ameaça de grupos armados e milícias na República Centro Africana, migrantes desesperados que tentam atravessar a terra estéril entre o México e os Estados Unidos, e muitos mais.

A esperança é a única coisa que nos impulsiona para a frente em nossa jornada. É a única coisa que vai garantir saiamos do deserto para ver a luz de outro dia. Nunca devemos perder a esperança. ” Nunca percamos a esperança! “, disse o papa Francisco.

Após o longo período no deserto, que é a Quaresma, chegamos a Páscoa. A ressurreição é a vitória da vida sobre a morte. É a vitória de Cristo sobre a opressão.

Não há maior amor do que aquele que dá a sua vida para que outros possam viver (Jo 15,13 ) . Nós recebemos a maravilhosa promessa de uma nova vida, mas é preciso coragem para abraçar a Cristo e seguir seus passos.
Quando ouvimos falar sobre a morte e sofrimento que afligem nossos irmãos e irmãs, temos de lutar contra a indiferença.

Ao abrir os nossos corações para o sofrimento de outras pessoas nós colocamos a nós mesmos abertos à graça transformadora. Estamos abrindo nossos corações para a humanidade, com toda a sua dor, sofrimento e imperfeição? Estamos sendo um exemplo vivo de caritas?

Estamos prestes a entrar num período de grande alegria. A celebração da ressurreição de Cristo nos tira do nosso deserto e nos coloca no caminho da esperança e da vida eterna.

Seu em Cristo,

Cardeal Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga , SDB
Presidente, Caritas Internationalis