Para iniciar qualquer tipo de negócio é preciso planejamento. Planejar as atividades do empreendimento, pesquisar o mercado, mas essencialmente, é preciso fazer o planejamento financeiro.  Na 4ª etapa do curso de Gestão e Viabilidade Econômica do Projeto Fortalecendo Experiências de Economia Solidária em Santa Catarina, as empreendedoras exercitaram os cálculos necessários para a viabilidade do EES.

Representantes de nove empreendimentos solidários estiveram reunidos nos dias 15 e 16 de maio, na sede da Cáritas Diocesana de Criciúma. Esta etapa contou com assessoria do professor e economista, Mairon Brandes.

Para os grupos, a descoberta dos cálculos. “Aprendemos um novo jeito de ver nosso grupo. Pensávamos que tinha uma grande margem de lucratividade, mas estamos abaixo do esperado”, concluiu a tesoureira do grupo Recriarte, Sirlei Aparecida Santiago.

O assessor ressaltou a importância do plano de negócios, como uma ferramenta norteadora para o empreendimento. “É importante o plano financeiro para garantir a sustentabilidade e viabilidade do negócio, mas será a partir do plano de negócios que os grupos poderão alcançar suas metas e seus objetivos”, observou Brandes.

Feira de Economia Solidária

No dia 16, as participantes do curso obtiveram mais detalhes da II Feira de Ecosol, a realizar-se nos dias 12 a 14 de junho, no campus da Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Todos os grupos apoiados pelo projeto Fortees terão participação na feira. “É importante conhecermos o espaço da feira e divulgarmos a economia solidária”, comentou a coordenadora do grupo Passo de Fibra, Ieda Zeferino.

Por Morgana Rosso, jornalista e articuladora local na região de Criciúma.