Economia Solidária: Nova proposta para famílias de baixa renda e caminhos para novas parcerias

No dia 16 de Setembro aconteceu, na Cúria Diocesana, o início de mais um Curso de Economia Solidária na Diocese de Tubarão, promovido pelo projeto: “Fortalecendo Experiências de Economia Solidária em Santa Catarina” – FORTEES e realizado pela Cáritas Brasileira Regional Santa Catarina com patrocínio do Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania em parceria com a Cáritas Diocesana de Tubarão. Neste curso participaram mulheres de baixa renda, integrantes dos programas de Assistência Social como PAIF (Programa de Atendimento Integral a Família) e Programa Mulheres Mil/PRONATEC (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego). O curso contou com a presença de 15 participantes, todas residentes dos municípios de Braço do Norte e Tubarão. Este curso traz assessoria para os grupos, na elaboração do Plano de Gestão e Viabilidade Econômica e possui 04 etapas, sendo encerrado no mês de dezembro de 2014.

Nos últimos meses a Cáritas Diocesana e as Cáritas Paroquiais, através da proposta da Economia Solidária, tem desenvolvido um diálogo promissor com o poder público, especialmente nos CRAS (Centro de Referencia em Assistência Social), dos municípios de Tubarão, Braço do Norte, Capivari de Baixo, Imbituba, Orleans e Jaguaruna. Municípios estes, nos quais as Cáritas Paroquiais estão constituídas ou em fase de diálogo para a criação de novas Cáritas. Contou ainda com o apoio e integração do Programa Mulheres Mil/PRONATEC, especialmente nos municípios de Tubarão e Capivari de Baixo. As articuladoras do referido programa perceberam na proposta da Cáritas, através do Projeto FORTEES, um caminho para organizar as participantes e assim colocar em prática o que apreenderam e gerar e renda. Um exemplo é o Programa mulheres mil que oferece uma oficina de reciclagem. A Cáritas, em parceria com a ITC Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares – UNISUL acompanha para que este produto se transforme em fonte de renda para a família.

Cabe lembrar que o novo curso de Economia Solidária, contempla principalmente pessoas em situação de vulnerabilidade social, particularmente os cidadãos beneficiados por programas de transferência de renda, mais popularmente conhecido, como bolsa família. Estes encontram na Economia Solidária uma possibilidade de buscar sua renda própria, através de alternativas de trabalho coletivo como de grupos informais, associações ou cooperativas.  A Economia Solidária tem como público alvo cidadãos e cidadãs que não se incluem no trabalho proposto pelo atual sistema. Citamos como exemplo mulheres que estão impossibilitadas de cumprir a jornada de trabalho, porque precisam cuidar de seus familiares (doentes, crianças, idosos) ou não conseguem se inserir no mundo do trabalho formal, por outros motivos pessoais (saúde, analfabetismo, falta de oportunidades e outros) e há também as pessoas que precisam de complementação de renda.

A Cáritas, comprometida com as pessoas em situação de exclusão social, já há mais de 30 anos tem buscado alternativas. No incio com os PACs –Projetos Alternativos Comunitários e a partir de 2000 se tornaram grupos informais de Economia Solidária. Com este trabalho visa contribuir, numa perspectiva emancipatória na Campanha Internacional contra a fome e a Miséria, e atualmente com a Campanha promovida por toda a Igreja: Uma família Humana, pão e justiça para todos. Vejam a compreensão de Economia Solidária na visão de uma das participantes: “Eu aprendi neste curso, a pensar sobre o valor das coisas… O que compramos e o que produzimos. Aprendi que a Economia Solidária não é só dinheiro, mas também valores humanos”. (Maria Aparecida de Jesus Batista – Braço do Norte)

Ir. Catarina De Faveri

Articuladora Local – Cáritas Diocesana De Tubarão