37 Empreendimentos organizados em associações, cooperativas e grupos informais, que produzem artesanatos, alimentação, produtos agroecológicos e confecções participaram da Feira de Economia Solidária da região de Chapecó.

A Economia Solidária baseia-se nos princípios da autogestão, da cooperação e da solidariedade, da ética, dos valores humanos e do trabalho digno, com respeito à vida, ao meio ambiente com a sustentabilidade, reconhecendo o lugar fundamental da mulher na economia.

Esta feira é uma forma de divulgação e de comercialização dos produtos das associações, cooperativas e grupos informais de ECOSOL que proporcionam além da comercialização, momentos culturais e de formação.

A feira, que aconteceu nos dias 10 e 11, movimentou cerca de R$ 5.000,00 em comercialização direta e R$ 1.670,00 em trocas solidárias, como o escambo. Considerando o fluxo de pessoas, que foi aproximadamente de 500 a 600 visitantes, a feira foi avaliada positivamente pelos grupos e pelas entidades, visto que houve divulgação do movimento da economia solidária e os grupos puderam realizar trocas de experiências, de produtos e de saberes entre si.

De todos os grupos que expuseram produtos, 22 já haviam participado de outras feiras como essa sendo que a grande maioria dos grupos vê o espaço da feira como a principal fonte de comercialização de seus produtos. Além disso, há grupos que comercializam seus produtos em casa para visinhos e outros que já possuem pontos fixos para comercialização ou ainda vendem para órgãos públicos através de programas como o PAA, Programa de Aquisição de Alimentos do Governo Federal.

De todos os empreendimentos que expuseram na feira 27, souberam da feira através dos Fóruns Regionais de Economia Solidária e das Entidades de Apoio, demonstrando assim fortes ligações com um processo ordenado de construção de um novo modelo de economia, baseado em novos princípios. Esse dado se reforça quando 28 empreendimentos revelaram que a formação social política dos participantes encontra-se boa ou ótima, destacando a importância do envolvimento dos participantes no processo de luta e de movimento na construção de uma sociedade mais justa e igualitária.

Este foi também um grande espaço de trocas de saberes entre entidades de apoio, possibilitando diálogos amplos de articulação entre si para realização de um trabalho conjunto na região. A feira foi construída por muitas mãos que se entrelaçaram, para numa ciranda unir sonho e vida na construção de laços sólidos de atuação na região.

Por Gilberto Oliari, articulador local na região de Chapecó.