Os Empreendimentos de Economia Solidária Ciranda da Arte, Arte do mar, Magia da Arte e Associação dos Artesões da Casa da Anita estiveram reunidos no dia 17 de abril em Laguna para discutirem seu espaço de valorização cultural no município, bem como sua participação na implementação de políticas públicas que favoreçam a expressão dos mesmos. Esses Empreendimentos são acompanhados pelo projeto “Fortalecendo Experiências de Economia Solidária em Santa Catarina” – FORTEES realizado pela Cáritas Brasileira Regional Santa Catarina com patrocínio do Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania da Petrobras em parceria com a Cáritas Diocesana de Tubarão.

De maneira descontraída os EES foram tecendo uma rede e na medida em que iam se apresentando e falando da história, incluíam a realidade e dificuldades do seu grupo de artesanato, formavam um enlaçe entre os participantes.

Eliete, artesã do grupo Ciranda da Arte, expressa a paixão pela Ecosol e a necessidade de apoio: “Eu sou uma pessoa apaixonada pela Economia Solidária e poderia ser bem melhor se recebêssemos mais apoio”. O grupo Ciranda da Arte produz joias de prata e escamas de peixes ou casca de siri.

O espaço de encontro proporcionou também resistência e encorajamento mútuo na conservação da cultura do município, como foi como se expressou Orlando que atua de forma solidária na Associação Casa da Anita: “Eu fico no artesanato porque tenho muito amor e gosto, mas temos muito pouco lucro”. A discussão ampliou-se com a contribuição de entidades parceiras: “Os governantes deveriam apoiar bem mais a questão do artesanato. Eles não sabem o quanto esta atividade faz, para o bem estar das pessoas. Até o gasto com medicamentos diminuíram, pois as pessoas se ocupam. Realizando a atividade e criando algo diferente ajuda a aumentar a autoestima das pessoas”, afirma Maristela, representante da Cáritas de Laguna e membro atuante no Fórum estadual das artesãs.

A insegurança no espaço físico para continuar a venda do produto, o incentivo na compra de matéria prima e a garantia da venda do produto estiveram entre as preocupações relevantes do encontro, além d o desejo de avançar em novas experiências utilizando especialmente os produtos abundantes na região. Para tanto se discutiu a necessidade de criar políticas públicas que favoreçam o artesanato sendo apontada a necessidade de criar o Fórum ECOSOL no município para discutir políticas públicas voltadas para o artesanato e economia solidária.

Por Catarina De Faveri, articuladora local na região de Tubarão.